Product ID: 843
Product SKU: 843
New In stock />
Propolight Própolis e Gengibre  Spray Uniflora 35 ml

Propolight Própolis e Gengibre Spray Uniflora 35 ml

Destaque Lançamento


Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete

O gengibre age principalmente como um anti-séptico e expectorante e auxilia o sistema digestivo, bem como fornece proteínas e sais minerais ao organismo. O gengibre possui também um efeito anti emético sem causar sonolência muito útil em casos de enjôo provocado pelo movimento. Suas propriedades anti-sépticas são muito benéficas em casos de infecção de garganta bem como do sistema respiratório.

O Extrato de Própolis em é uma solução com alta concentração de própolis, obtida a partir de própolis bruta padronizada, em equipamento desenvolvido para maximizar a extração. Apresenta as atividades cientificamente comprovadas da Própolis Uniflora, permitindo administração em quantidades eficazes de acordo com a necessidade do paciente.

 

 

Atividades biológicas e/ou farmacológicas

 

Entre os grupos selecionados de acordo com os métodos descritos acima, foram realizados alguns estudos para a determinação da atividade fisiológica, tais como antimicrobiana, antiinflamatória, antioxidante, antiviral e anticâncer.

As propriedades terapêuticas da própolis tem incentivado as pesquisas de isolamento e identificação de compostos químicos, e a possível relação destes com a sua atividade biológica. A presença de diversos compostos fenólicos explicam, em parte, a grande variedade das propriedades biológicas e terapêuticas relatadas na literatura, principalmente nas últimas 3 décadas. Nos quadros 1 e 2 podem ser observadas algumas propriedades biológicas e terapêuticas descritas na literatura.

Antibiótica: A atividade antibiótica in vitro da própolis foi verificada contra várias linhagens de bactérias Gram positivas (Bacillus brevis, B.polymyxa, B.pumilus, B. sphaericus, B. subtilis, Cellulomonas fimi, Nocardia globerula, Leuconostoc mesenteroides, Leuconostoc mesenteroides, Staphylococcus aureus e streptococcus faecalis) e Gram negativas (Aerobacter aerogenes, Alcaligenes sp., Bordetella bronchiseptica, Escherichia coli, Proteus vulgaris, Pseudomonas aeruginosa e Serratia marcescens). Pesquisas realizadas no nosso laboratório tem comprovado um alto poder antibiótico de determinada própolis contra as bactérias Staphylococcus aureus e Sptreptococcus mutans. Algumas dessas amostra de própolis apresentaram altas concentrações dos flavonóides galangina e pinocembrina, os quais são considerados serem agentes antimicrobianos.

Atividade Aniinflamatória: Outra atividade biológica atribuída à própolis é quanto a sua ação antiinflamatória. Diversos são os mecanismos relacionados ao processos inflamatórios acarretando em problemas como artrite reumatóide e artrose ou até mesmo a formação de edemas e sensação de dor. Existem relatos na literatura da utilização com sucesso de extratos etanólicos de própolis em testes laboratoriais in vitro e in vivo. Em vários modelos in vitro a própolis apresentou uma inibição da agregação plaquetária e da síntese de eicosanóide, sugerindo que ela possui uma poderosa atividade antiinflamatória. Em experimentos conduzidos utilizando cobaias verificou-se que os extratos de própolis apresentaram um resultado comparável à uma droga padrão comumente utilizada no tratamento de doenças inflamatórias chamada Diclofenac (Khayyal et al., 1993). Um outro trabalho utilizando extrato etanólico de própolis foi realizado em nosso laboratório onde foi testado diferentes concentrações de álcool para a preparação dos extratos e a sua relação com inibição de uma enzima chamada hialuronidase, que é responsável por muito dos processos inflamatórios conhecidos atualmente, e observou-se a própolis inibiu de forma considerável a atividade desta enzima e a concentração ideal de etanol para a preparação do extrato que apresentou a maior inibição foi de 80%.

Atividade Antioxidante: A oxidação de um determinado material (um pedaço de ferro, gordura, ou até mesmo em tecidos humanos) está relacionado, principalmente, com a sua degradação e/ou deterioração. No corpo humano a oxidação está ligado ao processo de envelhecimento, mutação do material genético e da degradação do tecido vivo. Os compostos responsáveis por essa ação maléfica são conhecidos como radicais livres. Na natureza existem diversas substâncias que combatem esses radicais tal como a vitamina C, a vitamina E, entre outros. Recentemente a própolis vem sendo estudada como alternativa para a combater essa oxidação. A sua composição química, formada essencialmente por compostos fenólicos, leva a crer que ela seja um produto com grande poder antioxidante, uma vez que esses compostos são conhecidos como tais. Em estudos laboratoriais, verificou-se que um dos compostos presente na própolis, conhecidos como CAPE, atua como um excelente antioxidante inibindo a formação de radicais livres (Jaiswal et al., 1997). Em nosso laboratório também foram realizados estudos sobre a atividade antioxidante de própolis e os resultados obtidos foram muito satisfatório pois a própolis inibiu em quase 95% a oxidação de uma mistura de reação formada por b-caroteno e ácido linoléico.

Antifúngica: Alguns autores demonstraram que entre outras atividades, a própolis tem ação antimicótica e que esta se deve ao ácido cinâmico e ao flavonóide crisina. Há relatos na literatura que o ungüento de própolis a 50%, curou sem haver recidivas, 97 de 110 pacientes com Kerion do couro cabeludo. Em adição, outros autores verificaram que o extrato etanólico de própolis demonstrou atividade inibitória sobre 17 cepas de dermatófitos, e ainda mostraram que a formulação de própolis com propileno glicol era igual ou superior à das medicações antifúngicas contra os fungos M. canis, T. rubrum, T. mentagrophytes e Scopulariopsis. Ghaly et. al.(1998), verificaram recentemente que o extrato etanólico de própolis, a 3 e 4 gramas por litro, reduziu a porcentagem de germinação e a produção de aflatoxina do fungo Aspergillus flavus.

Anestésica: Há na literatura vários relatos sobre o efeito anestésico da própolis. Ghisalberti (1979), relata que o extrato de própolis foi capaz de produzir um efeito anestésico total em córneas de coelhos. O extrato etanólico de própolis (40g em 100 ml de etanol 70%), foi relatado ser 3-5 vezes mais forte que a cocaína usada como um anestésico, a qual foi introduzida na prática dental, na antiga União Soviética, em 1953.

Antiprotozoária: A atividade antiprotozoária da própolis foi confirmado em inflamações provocadas por Trichomomas vaginalis (Scheller et.al.,1977). Posteriormente, verificou-se o efeito do extrato de própolis sobre o crescimento in vitro do protozoário parasita Giardia lamblia, o qual apresentou um efeito inibitório de 98% (Torres et. al.,1990). Considerando as perspectivas da própolis com atividade antiprotozoária, há muito que se estudar e conhecer sobre a própolis brasileira.

Antiviral: As pesquisas têm mostrado um efeito positivo da própolis sobre a virulência e a duplicação de algumas linhagens de vírus, tais como: herpes, adeno vírus, coronavírus, rotavírus. Além disso, já foi investigado o efeito in vitro da própolis sobre vários vírus como herpes simplex tipos 1 e 2, mutante resistente a aciclovir, adenovírus tipo 2, vírus da estomatite vesicular e poliovírus tipo 2.

Anticâncer: Existem na literatura alguns trabalhos relatando a atividade anticancerígena de extratos de própolis. Compostos derivados de ácido cinâmico e outros, conhecidos como terpenóides, mostraram possuírem boa atividade citotóxica. Nossos estudos tem demonstrado que determinados grupos de própolis (dentre os 12 classificados até o momento) impediram o crescimento de células cancerígenas em experimentos laboratoriais. Neste estudo, os 12 tipos de própolis foram colocados em contato com diferentes células cancerosas, do intestino, rim, mama, nariz e faringe. Após duas semanas, tempo suficiente para que as células se reproduzissem e crescessem, dez amostras tinham apresentado, em diferentes graus, não apenas inibição do crescimento, mas destruição parcial das células. O método de cálculo de inibição de tumores utilizado no estudo teve como base de comparação os resultados obtidos pela droga Etoposide, a mais forte existente no mercado para combater o câncer. Esse método foi desenvolvido pelo Instituto Nacional do Câncer dos EUA. Quando comparado com a droga teste, Etoposide, pode-se observar um padrão de atuação diferente, sugerindo, dessa forma, a existência de novos princípios citotóxicos na composição das própolis estudadas.

INFORMAÇÕES AO CONSUMIDOR

A Uniflora dispõe dos equipamentos necessários e pessoal altamente treinado para realizar a manipulação e o controle de qualidade do seu extrato de própolis. Dessa forma podemos garantir que as propriedades da própolis não são prejudicadas.

 

RESTRIÇÕES

Pessoas sensíveis à própolis não devem utilizar o produto.

 

EFEITOS COLATERAIS
Não há relatos concretos, mas deve-se atentar para a ocorrência de reações alérgicas.

 

RECOMENDAÇÕES DE USO

3 jatos na boca, 4 vezes ao dia.

 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


    Confira os produtos